Skip to main content

Tecnologias para a segurança no trabalho presencial, remoto e híbrido

By 1 de novembro de 2021dezembro 1st, 2021Acessos e SSO, Gestão de Identidade

A pandemia do novo Coronavírus (SarS-COV 2) causou uma série de mudanças drásticas em todo o mundo.

A humanidade precisou se reinventar e, como se pode observar, o mercado de trabalho o fez com muita agilidade. O modelo de trabalho remoto cresceu de forma avassaladora!

E agora, o que as empresas como a sua farão a seguir? Como aprender a lidar com esse modelo de trabalho que pode ser totalmente online ou híbrido de forma segura para os acessos e dados e informações? Neste post você irá aprender a agilizar as atividades do dia a dia e manter um alto nível de segurança e conformidade!

Uma tendência inevitável

Segundo o Gartner, o trabalho remoto estará cada vez mais presente no mercado. Acredita-se que, até 2024, as organizações serão inevitavelmente forçadas a se adaptarem aos novos conceitos de trabalho.

A consultoria menciona inclusive que existe um tripé, que é responsável por sustentar os desafios que devem ser vivenciados pelas empresas que almejam destaque nesse futuro.

Esse tripé é composto de:

 Mudanças demográficas e de mercado: Saber acompanhar o que acontece no mundo extra-empresa e que possui reflexos diretos na organização interna;

– Tecnologias emergentes: Implantar novas tecnologias disruptivas, que possuem um potencial transformador.

– Novos modelos de trabalho: Trazer profissionais que se destacam em áreas de crescente busca (especialistas da era da transformação digital).

Há de se destacar que existe um movimento crescente que questiona a volta ao trabalho presencial. A principal justificativa, claro, é a flexibilidade para gerenciar o tempo e ter mais momentos de lazer com a família.

No Brasil, já é possível observar um cenário diferente de antes da pandemia, é o que diz a pesquisa “Novas Formas de Trabalhar: Impactos do Home Office em Tempos de Crise”, da Fundação Dom Cabral, realizada em parceria com a Grant Thornton Brasil.

Dentre os 705 entrevistados:

● 58,8% acreditam que o home office os tornam mais produtivos;
● 25,4% não observam mudanças;
● 15,8% observam uma queda no índice de produtividade.

Que o mundo do trabalho será diferente daqui em diante, não há dúvidas. Mas como é que as empresas irão se preparar para essa transformação?

A resposta é bem simples: com a tecnologia. É a maneira mais efetiva de auxiliar gestores e colaboradores a executarem um trabalho seguro e com recursos acessíveis de qualquer local.

Implantando a hiperautomação

Um conceito extremamente relevante dentro dos meios tecnológicos, é o da hiperautomação – que nada mais é do que a automação de todo ou qualquer recurso tecnológico que seja possível.

Onde existem tarefas repetitivas, pode existir a hiperautomação para agilizar processos e, principalmente, para automatizar tudo o que precisaria ser realizado de forma manual.

Talvez esse conceito até não seja tão relevante para as empresas onde a tecnologia possui um papel secundário. Entretanto, o movimento crescente do modelo home office demonstra que, em breve, a prática pode ser muito necessária.

E é muito simples de se justificar, basta imaginar a quantidade de softwares utilizados por uma empresa, independente de seu tamanho, no mínimo haverá um CRM (do inglês – Gestão de Relacionamento com o Cliente) e também um serviço de e-mails.

Agora imagine todos os colaboradores acessando esses serviços. Em uma escala em que existam dezenas ou centenas de pessoas. Quantos dispositivos podem estar infectados por ameaças cibernéticas?

A probabilidade existe e ela é muito grande. Aqui você já pode observar uma necessidade inerente em todas as empresas: os acessos realizados no modelo home office precisam de mecanismos avançados de segurança!

Segurança no acesso remoto

A solução para esse desafio que envolve a tecnologia não poderia estar em outro local, se não, na própria tecnologia.

Toda empresa que pretenda manter um modelo seguro de trabalho, seja ele presencial, híbrido ou remoto, deverá adotar tecnologias complementares para deixar a infraestrutura preparada para enfrentar as eventuais ameaças cibernéticas que por ventura possam surgir.

Uma tecnologia que irá reduzir consideravelmente os riscos relacionados à segurança de suas informações é o SSO – Single Sign On, ou Logon Único, responsável por automatizar acessos e criar uma “camada” de segurança extra dentro do ambiente digital.

Essa tecnologia vem exatamente de encontro com o que já foi apresentado até aqui, se mostrando como ferramenta essencial para a manutenção do trabalho home office, ou então, híbrido.

É uma tecnologia que possibilita a hiperautomação, pois viabiliza acessos automatizados, contando com recursos de criptografia e mantendo seguras as credenciais do usuário.

E, por fim, oferece segurança no acesso aos dados, mantendo as informações da empresa livres de ameaças cibernéticas que muitas vezes são ignoradas, mas que podem destruir a imagem de qualquer companhia, além da possibilidade de definir e programar um horário limite para acesso aos sistemas da empresa.

Tecnologias como o SSO são um apenas um dos muitos exemplos que podem complementar a segurança de um trabalho remoto. A mensagem a ser passada é a de que as empresas precisam criar a cultura do home office com segurança.

É preciso fazer uma migração responsável. Não se pode de forma alguma colocar toda responsabilidade nas mãos do colaborador, é preciso oferecer mecanismos extras de segurança para a definitiva proteção dos dados.

Esteja preparado para o amanhã

Basicamente, o mais importante para o seu negócio é atuar de forma preventiva. Adote medidas que preparem a sua empresa para vivenciar o novo, para se adequar as tecnologias do amanhã.

Estar um passo à frente não é nenhum exagero. É, inclusive, a melhor forma de se manter estável no mercado. Afinal, aqueles que não se preparam dificilmente estarão aptos a vivenciar os desafios do amanhã.

Não deixe de acompanhar o blog da E-TRUST, para ficar atualizado com as principais informações da tecnologia e da inovação do mundo corporativo.

Leia também:

● É possível evitar o vazamento de dados?
● Ransomware e sequestro de dados: O que é e como se proteger
● Implante a LGPD em 3 passos