Skip to main content

Nuvem no varejo: quais os benefícios de utilizá-la

By 15 de agosto de 2022janeiro 26th, 2024Acessos e SSO, Gestão de Identidade

Artigo Nuvem no varejo: quais os benefícios de utilizá-la

O uso da nuvem no varejo é cada vez mais necessário para as empresas que desejam acompanhar a transformação digital.

Um dos pontos que torna a nuvem bastante benéfica ao segmento é que ela ajuda os e-commerces a administrar mais clientes ao mesmo tempo. Por consequência, isso não só amplia as oportunidades de venda, como também contribui na construção de um relacionamento mais duradouro com o consumidor.

Um dos principais desafios que os e-commerces têm de enfrentar nesse cenário de nuvem e transformação digital é a segurança da informação. Isso porque as técnicas usadas pelos criminosos estão cada dia mais sofisticadas, exigindo soluções robustas voltadas ao monitoramento contínuo dos sistemas e diminuição de ameaças.

Além disso, conforme veremos no texto, também é essencial fazer controle de acessos, visando evitar vazamentos e violações das leis de proteção de dados. Neste artigo, falaremos, também, sobre o armazenamento na nuvem, mostrando sua importância e quais boas práticas podem ser adotadas. Boa leitura!

O que é um armazenamento em nuvem?

Quando o e-commerce precisa de mais recursos em sua operação, ele pode usar a nuvem para obter uma elasticidade maior de armazenamento. Da mesma forma, em épocas com menos volumes de vendas e acessos ao servidor, é possível contrair os seus recursos.

O objetivo do armazenamento em nuvem é dar mais acessibilidade aos dados do negócio. No entanto, é preciso que o e-commerce esteja atento ao controle de acesso desses dados, visando evitar infrações ligadas à LGPD.

Uma das principais razões para esse controle é que os dados estão disponíveis em qualquer lugar. Esclarecendo melhor essa questão, o armazenamento em nuvem se responsabiliza apenas por funcionar de forma adequada, e não pela segurança integral dos dados armazenados e acesso a estes.

Em resumo, quem contrata um provedor de nuvem deve ter o máximo cuidado com os seus registros, criando políticas de segurança e usando soluções tecnológicas voltadas ao controle de acessos e gestão de identidades.

Quais os tipos de nuvem?

Na prática, a nuvem é um servidor externo, permitindo o acesso aos dados pela internet. Dito isso, os tipos de nuvem são baseados na localização e gerenciamento desses servidores.

Dependendo do nível de confidencialidade das informações do varejo virtual, ele próprio pode gerenciar seus dados ou delegar essa parte ao provedor externo.

Conhecer o tipo de nuvem onde serão armazenadas as informações do varejo é crucial, considerando o processo de migração dos dados. A razão disso é que um dos pontos de maior vulnerabilidade é quando as informações do negócio migram de um servidor local para a nuvem.

Dito isso, é altamente recomendado contar com uma solução de gestão de identidades e acessos já durante o processo de migração. Em geral, o provedor de nuvem assegura o funcionamento da infraestrutura, em termos de operação e proteção. Todavia, os dados migrados são de total responsabilidade da empresa contratante — no caso, a varejista.

Os três principais tipos de nuvem existentes são:

  1. Pública: consiste em um serviço compartilhado entre várias empresas. Os recursos são disponibilizados de modo simultâneo a várias companhias, sendo comum elas usarem o chamado software por assinatura, ou SaaS;
  2. Privada: disponibiliza não só recursos de software, mas também de hardware. Ao contrário da nuvem pública, o sistema é dedicado, de modo que o provedor atende apenas uma empresa por vez. Caso a TI do e-commerce precise de equipamentos adicionais, basta pagar um valor a mais e o parque tecnológico pode ser expandido rapidamente;
  3. Híbrida: é a junção da nuvem privada com a pública. Algumas empresas de grande porte costumam usá-la quando precisam lidar com dados críticos e não críticos na rede. A parte não crítica trafega na parte pública, enquanto que as informações mais confidenciais trafegam em um link dedicado, por meio da parte privada da nuvem.

Como a nuvem beneficia o varejo virtual?

Se um e-commerce deseja vender mais e fidelizar os seus clientes, é fundamental considerar a adoção da nuvem. Quando se fala em segurança no varejo virtual, é impossível não citar o controle de acessos. A nuvem propicia esse controle, à medida que contribui na limitação do acesso aos dados do negócio, principalmente os mais confidenciais.

A nuvem permite a integração com mecanismos de autenticação única como forma de controlar acessos. Na prática, o colaborador entra nos sistemas do e-commerce com um uma única senha, tornando o processo de login mais ágil e seguro. Dessa forma, não é mais preciso uma senha para cada área da loja virtual, facilitando a vida do usuário e diminuindo o risco de as senhas serem interceptadas por criminosos virtuais.

De fato, e-commerces que querem ser ágeis na concessão, revogação e revisão de direitos de acesso precisam automatizar esse processo. Não é mais viável atribuir essa função a alguém da TI, visto que nem sempre essa pessoa terá condições de barrar esses acessos indevidos.

Imagine uma loja virtual que vem expandindo as suas operações. Com tantas permissões para gerir, o risco de alguém alterar os preços dos produtos no site ou fazer algo pior aumentam de modo considerável.

Quais as boas práticas da nuvem no varejo virtual?

Para assegurar a segurança na nuvem no e-commerce, é fundamental seguir algumas boas práticas de armazenamento. Dentre as principais dicas nesse sentido podemos citar:

 

    • Planejar com antecedência quais dados da loja virtual serão migrados e armazenados na nuvem;
    • Fazer backups com periodicidade, pois nunca se sabe quando o sistema terá um mal funcionamento, ocasionando em perda de dados;
    • Usar nomes padronizados para os arquivos e pastas. Isso ajudará tanto na organização quanto na busca mais rápida dessas informações na nuvem;
    • Criptografar os dados;
    • Utilizar a autenticação em duas etapas na hora de criar a senha de acesso aos sistemas na nuvem.

A nuvem no varejo traz muitas vantagens. Vimos ao longo do texto que o provedor da nuvem não possui responsabilidade sobre acessos indevidos, cabendo ao e-commerce adotar uma solução de gestão de identidades e acessos já no processo de migração dos dados.

Gostou do conteúdo? Aproveite a visita ao blog e inscreva-se em nossa newsletter!

assinar newsletter